Categoria "Comportamento"
07 de jan de 2016

Pequenas atitudes, grandes mudanças

O primeiro dia do ano é o feriado mundial da preguiça. Dia que você não tem vontade de fazer nada. Quem sabe tomar um café da manhã na cama, se alguém fizer a gentileza de pegar pra você. Ou ainda dar aquela esticadinha e procurar um bom filme no Netflix.

Fonte: Flickr

Fonte: Flickr

A vontade é que aquele dia milagroso nunca acabe, que se torne um sonho dentro de um sonho e que dure pra sempre. Mas então você percebe que praticamente uma semana já se passou, para muitos já é dia de voltar ao trabalho, para outros é uma continuação das férias… E para pessoas como eu, o pensamento já começa a correr livre entre todas as coisas que já tinham sido programadas para serem feitas ainda no ano anterior, e mais todas as outras que ainda não pensei e que quero fazer no ano que se inicia.

Mas segura essas expectativas aí! Sei que é maravilhoso esse sentimento de que podemos fazer tudo o que quisermos e que, dessa vez, apenas dessa vez, vamos acertar na mão e aprenderemos com nossos erros, mas temos que ser realistas ok? É claro que a maior parte das nossas metas é: ser feliz, ter uma vida confortável, uma casa boa, um emprego legal e quem sabe até uma casa a mais de frente pro mar. No entanto, essas são as metas mais gerais de todo ser humano e não é fácil ser fiel a elas, sabe por quê? Porque sempre começamos com entusiasmo e determinação, mas nossa força de vontade vacila e nossas resoluções se tornam um fiasco. E toda vez que descumprimos uma resolução – uma promessa que fazemos para melhorar nossas vidas – acabamos nos sentindo desmoralizados e impotentes para progredir e alcançar nossos objetivos.

Então esse ano, decidi não fazer uma lista de metas. Estou trabalhando em microrresoluções, resoluções pequenas, diretas e específicas, que respondem a objetivos maiores que temos nas nossas vidas. Nada de dar passos de gigante, chegou a hora de acordar e dar baby steps, sem pressa, apenas liste objetivos menores para suas grandes metas e sonhos.

Todo o conceito de microrresoluções encontra-se no livro Pequenas atitudes, grandes mudanças. Em resumo, são objetivos menores, que especificam o que exatamente precisamos fazer, para alcançar metas maiores. Essas microrresoluções têm a intenção de se tornarem hábitos, sendo assim muito mais simples que nós cheguemos onde desejamos. Elas também devem ser fáceis, para que consigamos executá-las e automatizá-las. Um exemplo bem comum: se você quer perder peso, deve comer de forma mais saudável e se movimentar mais. Mas, para que você consiga chegar lá, cada uma dessas resoluções (comer de forma saudável e se movimentar mais) deve ser quebrada em várias microrresoluções (comer 1 fruta por dia; tomar 5 copos d’água; usar as escadas 1 vez por dia; caminhar três vezes por semana).

Além disso, não se deve seguir mais de duas microrresoluções por vez. Deixe esse hábito se estabelecer. Deixe que seu corpo se acostume e você não brigue mais com a resolução. Dê-se dois, três meses de prazo para que tudo entre nos eixos. Você verá que, nesse meio tempo, incorporará novos hábitos saudáveis em sua rotina, porque um hábito “puxa o outro”. Condicione o novo hábito desejado a algum evento e tenha mais sucesso ainda. Por exemplo: vou fazer ginástica depois do café, nas segundas, mas antes de ler o jornal. Não poderei me inteirar das notícias se não cumprir com a determinação estabelecida.


As microrresoluções são o ideal para que você consiga lidar com todas as imposições e necessidades de sua vida. Tem a ver com dedicar toda a sua força de vontade a uma ação que o fará avançar e causará uma diferença positiva em sua vida. No autoaperfeiçoamento, trabalhar na margem é o que lhe dá vantagem e o conduz ao sucesso. Passo por passo conseguimos chegar onde desejamos. Só é preciso ter determinação e foco!

Espero que o post possa ajudar vocês a chegarem um pouco mais perto de suas metas! Agora contem pra gente, o que vocês pretendem realizar em 2016?

Postado por Carla Vieira

Uma paulista baixinha de 17 anos, ansiosa e determinada, que sonha alto demais. Sou uma rata de biblioteca, sinto a necessidade de viver outras histórias e poder entrar em um mundo que não é meu. Também amo escrever. Aqui no blog, irei mostrar a vocês a minha visão de mundo! Se quiser me acompanhe também pelo meu blog pessoal.
03 de dez de 2015

Não deixe para o ano que vem…


Mais um ano se vai… E, com ele, todas aquelas promessas que você fez quando bateu 0 horas do dia primeiro de janeiro de 2015… E aí? Cumpriu alguma? Não se sinta mal caso não tenha cumprido, tudo faz parte do processo. As promessas, inclusive, são a parte principal!
Se tem uma coisa que eu aprendi foi a fazer promessas pra mim mesma e não para os outros. Normalmente nossas metas de ano novo são coisas bem impossíveis, não é mesmo? Emagrecer, comprar uma casa, trocar de carro, engravidar, consegui um namorado… Coisas que parecem tão longe do nosso alcance, mas que no badalar da meia noite se tornam sonhos “plausíveis”.

Eu, por exemplo, passei 18 anos novos desejando sair de intercâmbio. Morar fora, conhecer novos lugares e pessoas sempre foi um sonho enorme pra mim. E sabe o que eu fazia pra conseguir isso? Nada!
Ou melhor, eu achava que não estava fazendo nada. Quando nossos desejos são realmente nossos, eles se cumprem sem esforços grandioso. Aos 19 anos eu embarquei para Portugal, morei 2 anos lá com tudo pago e conheci boa parte da Europa! Outra coisa que eu sempre prometia era emagrecer… Mas eram sempre promessas baseadas no que as pessoas queriam de mim. Eu não queria emagrecer, estava feliz comigo mesma, mas sabia que a sociedade me queria magra. Acabei emagrecendo – e muito! – ano passado… Mas no fim das contas, sabe o que aconteceu? Eu entrei em uma depressão horrível, engravidei, perdi o bebê e engordei o dobro – simplesmente porque o desejo de emagrecer, diferente do desejo do intercâmbio, não era meu de verdade, era dos outros.

Por que eu estou falando isso? Porque muitas vezes, no virar do ano, desejamos emagrecer, mas não para nós e sim porque nossos parceiros falaram que seria bom que isso acontecesse. Desejamos comprar uma casa, mas nosso desejo secreto é conhecer a Disney, a sociedade é quem exige que tenhamos uma casa… Isso, entre milhares de desejos que fazemos, por acharmos que são o que “precisamos desejar“.

A partir do momento que suas prioridades passam a ser realmente suas, seus sonhos sejam algo com o que você realmente sonhe e deseje experienciar, percebemos que não é preciso esperar o ano que vem para começar a colocar em prática aquilo que precisamos para alcançá-los, percebemos que não é preciso esperar a segunda-feira para começar a dieta, ou o décimo terceiro para fazer “aquela” compra…

Não deixe para o ano que vem!

Aproveite o dia 31 não para traçar metas, mas para fazer uma limpeza de dentro pra fora, para se conhecer e conhecer os SEUS desejos e sonhos e, enfim, nunca mais os confundir com aquilo que os outros esperam de você. Assim… E SÓ assim, todos os seus planos irão se realizar! :D


Feliz natal e um próspero ano novo, cheio de amor, paz e conquistas, para todas as pessoas que leem o CDB! ♥

Postado por Aime Reis

Também conhecida como: Klaryan. Tem vinte e alguns anos e é blogueira há 15, dona do Klaryan.com, mora sozinha, já morou em Portugal e ama escrever! Formada em Letras português/japonês/espanhol, sonha em ser poliglota, mas sempre esquece as palavras que estão na ponta da língua. Ama compartilhar aquilo que sabe e aprender sobre o que não sabe, pra compartilhar também...
Página 2 de 12123456... 12Próximo