07 de jan de 2016

Pequenas atitudes, grandes mudanças

O primeiro dia do ano é o feriado mundial da preguiça. Dia que você não tem vontade de fazer nada. Quem sabe tomar um café da manhã na cama, se alguém fizer a gentileza de pegar pra você. Ou ainda dar aquela esticadinha e procurar um bom filme no Netflix.

Fonte: Flickr

Fonte: Flickr

A vontade é que aquele dia milagroso nunca acabe, que se torne um sonho dentro de um sonho e que dure pra sempre. Mas então você percebe que praticamente uma semana já se passou, para muitos já é dia de voltar ao trabalho, para outros é uma continuação das férias… E para pessoas como eu, o pensamento já começa a correr livre entre todas as coisas que já tinham sido programadas para serem feitas ainda no ano anterior, e mais todas as outras que ainda não pensei e que quero fazer no ano que se inicia.

Mas segura essas expectativas aí! Sei que é maravilhoso esse sentimento de que podemos fazer tudo o que quisermos e que, dessa vez, apenas dessa vez, vamos acertar na mão e aprenderemos com nossos erros, mas temos que ser realistas ok? É claro que a maior parte das nossas metas é: ser feliz, ter uma vida confortável, uma casa boa, um emprego legal e quem sabe até uma casa a mais de frente pro mar. No entanto, essas são as metas mais gerais de todo ser humano e não é fácil ser fiel a elas, sabe por quê? Porque sempre começamos com entusiasmo e determinação, mas nossa força de vontade vacila e nossas resoluções se tornam um fiasco. E toda vez que descumprimos uma resolução – uma promessa que fazemos para melhorar nossas vidas – acabamos nos sentindo desmoralizados e impotentes para progredir e alcançar nossos objetivos.

Então esse ano, decidi não fazer uma lista de metas. Estou trabalhando em microrresoluções, resoluções pequenas, diretas e específicas, que respondem a objetivos maiores que temos nas nossas vidas. Nada de dar passos de gigante, chegou a hora de acordar e dar baby steps, sem pressa, apenas liste objetivos menores para suas grandes metas e sonhos.

Todo o conceito de microrresoluções encontra-se no livro Pequenas atitudes, grandes mudanças. Em resumo, são objetivos menores, que especificam o que exatamente precisamos fazer, para alcançar metas maiores. Essas microrresoluções têm a intenção de se tornarem hábitos, sendo assim muito mais simples que nós cheguemos onde desejamos. Elas também devem ser fáceis, para que consigamos executá-las e automatizá-las. Um exemplo bem comum: se você quer perder peso, deve comer de forma mais saudável e se movimentar mais. Mas, para que você consiga chegar lá, cada uma dessas resoluções (comer de forma saudável e se movimentar mais) deve ser quebrada em várias microrresoluções (comer 1 fruta por dia; tomar 5 copos d’água; usar as escadas 1 vez por dia; caminhar três vezes por semana).

Além disso, não se deve seguir mais de duas microrresoluções por vez. Deixe esse hábito se estabelecer. Deixe que seu corpo se acostume e você não brigue mais com a resolução. Dê-se dois, três meses de prazo para que tudo entre nos eixos. Você verá que, nesse meio tempo, incorporará novos hábitos saudáveis em sua rotina, porque um hábito “puxa o outro”. Condicione o novo hábito desejado a algum evento e tenha mais sucesso ainda. Por exemplo: vou fazer ginástica depois do café, nas segundas, mas antes de ler o jornal. Não poderei me inteirar das notícias se não cumprir com a determinação estabelecida.


As microrresoluções são o ideal para que você consiga lidar com todas as imposições e necessidades de sua vida. Tem a ver com dedicar toda a sua força de vontade a uma ação que o fará avançar e causará uma diferença positiva em sua vida. No autoaperfeiçoamento, trabalhar na margem é o que lhe dá vantagem e o conduz ao sucesso. Passo por passo conseguimos chegar onde desejamos. Só é preciso ter determinação e foco!

Espero que o post possa ajudar vocês a chegarem um pouco mais perto de suas metas! Agora contem pra gente, o que vocês pretendem realizar em 2016?

Postado por Carla Vieira

Uma paulista baixinha de 17 anos, ansiosa e determinada, que sonha alto demais. Sou uma rata de biblioteca, sinto a necessidade de viver outras histórias e poder entrar em um mundo que não é meu. Também amo escrever. Aqui no blog, irei mostrar a vocês a minha visão de mundo! Se quiser me acompanhe também pelo meu blog pessoal.