14 de abr de 2015

Eu não quero ser a mulher maravilha

13563118577785_f

Imagem do site returnofkings.

Eu estou tirando minha armadura, minha pose de mulher durona, que não chora. Estou prendendo meu cabelo, tirando o rímel e o batom escuro da boca. Estou me despindo daquela mulher que oferece abraço e deixa os próprios problemas de lado só porque alguém está pedindo ajuda. Estou diminuindo o passo, porque cansei de correr pra resolver os problemas dos outros. Estou deixando o fogão de lado. Pede uma pizza hoje a noite, ando um pouco cansada.

Hoje eu vou me sentar aqui no sofá e, completamente desarmada, vou aceitar que me contem uma piada que me faça rir como uma criança, hoje vou esperar você chegar em casa e sentar na ponta do sofá para que eu possa deitar no teu colo e ficar quieta, recebendo um pouco de carinho. Hoje eu desci do salto e tirei meu vestido, quero andar de pijama pela casa e, se alguma visita chegar, faço um café e abaixo o som da TV pra gente poder conversar.

Espero não estar sendo egoísta, mas só por um dia eu quero ser cuidada, porque apesar da pose de vidro temperado, sou mais frágil que qualquer taça de vinho, coisa que as pessoas não tem o hábito de reconhecer. Eu nunca esperei por isso, mas só hoje queria um sorriso de gratidão. Hoje eu quero fazer como quando criança: me deitava na cama dos meus pais e dizia que não queria dormir só, no meu quarto. Hoje aceito uma visita que me abrace, porque tem coisas que a gente guarda e só um abraço nos ajuda a por pra fora.

Me deixa deitar aqui no sofá e descansar, porque uma tia me disse uma vez que não podemos querer ajudar a todos e eu sempre a contestava, dizendo que isso me fazia feliz, mas agora eu sei do que ela estava falando…

Sabe, a essas horas só uma boa massagem nas costas me aliviaria.

Vem aqui e ao invés de chocolate me traga um “suco de cevada”, isso mesmo: aquela cerveja bem gelada! E vamos discutir sobre a vida e como ela é linda, porque apesar de cansada eu ainda sorrio quando saio pela manhã e o sol me dá bom dia. Eu ainda gosto quando um cachorro abana o rabo pra mim ou uma criança passa correndo e quase me derruba. Vem aqui, porque depois de me ouvir chorar eu quero que escute a minha risada completamente exagerada, no meu surto particular.

Eu não quero mais ser a mulher maravilha. Me contento em ser o que sou, cuidando de todo mundo, mas precisando de um pouco de carinho.

Por motivos pessoais não farei mais parte da equipe CDB. Deixei esse texto e o “Fica”. Para ler mais textos  meus é só acessar meu blog