16 de nov de 2015

5 conselhos para intercambistas

Eita Jovana! Primeiro post no Coisas de Blogueiras. Pensem numa pessoa tensa! Antes de mais nada, oi gente, sou a Mariana Pereira, dona do MarianaPereira.com e autora de Ao meu ídolo, com amor (oh o jabá! :P). Sou intercambista há 10 anos, já vivi muitas experiências boas e ruins e estou mega animada em compartilhar minhas experiências com vocês.

E por falar justamente em experiências, fiz uma listinha com 5 coisas que eu aprendi durante minhas viagens, já repassei para minhas amigas e achei legal trazer pra vocês.

Primeira vez em solo canadense - Aeroporto de Toronto, dezembro de 2007

Primeira vez em solo canadense – Aeroporto de Toronto, dezembro de 2007

1. Nem tudo são flores

Eu sei que na agência de viagens vão falar pra vocês que a hostfamily é incrível, que a escola é sensacional, que você talvez conheça a neve e que é fantástico. Mas a vida fora do Brasil ainda assim é uma vida e chances de dar errado também existem. Sua família hospedeira sempre vai parecer mais ou menos no papel: mais legal ou menos legal do que realmente é. Criar expectativas não é ruim, mas preparem-se para tudo. As chances de dar certo ou não são iguais, então ter sempre um plano B na manga é importante.

2. Aprenda sobre tudo

Se tem algo que ninguém nunca vai poder te tirar, é o conhecimento. Podem tirar sua casa, seu carro, seu celular, mas as coisas que aprendemos no decorrer da vida são só nossas. Aprenda sobre tudo: desde a origem de uma graminha no quintal da sua casa, até o significado do nome do urso que tá lá na montanha. É claro que muitas coisas não vamos usar, mas eu aposto que nem todo mundo sabe que, se um urso aparecer, se fingir de morto não é a solução (tente parecer maior que ele, faça muito barulho e vá se afastando lentamente. Se correr, o bicho literalmente pega!). Não que a gente vá encontrar ursos no Brasil, mas é conhecimento. Além disso, é gostoso compartilhar com as pessoas as coisas que aprendemos e isso só prova o quanto aproveitamos a viagem. No final das contas, voltando para casa, ver o tanto de experiências que tivemos e conhecimento que agregamos, dá até um calorzinho no coração.

3. Não perca tempo

Não é história de pescador não, viu? Eu sou testemunha do tanto de brasileiros que perderam a oportunidade de aprenderem mais, de melhorarem o inglês, por pura preguiça ou falta de controle. Vi muita gente faltando às aulas porque bebia demais na noite anterior (toda quinta feira!), empurrando o curso de inglês literalmente com a barriga. Por mais que seja difícil levantar num dia de neve, se encher de casaco e sair de casa carregando gorros, cachecóis, luvas, guarda-chuva e a mochila, aproveite esse período. Sabemos que é cada vez mais comum ver o pessoal saindo do Brasil para estudar, mas com o aumento do dólar, esse tipo de oportunidade se torna cada vez mais cara e suada. Faça valer os dólares/euros/pesos/libras/sei-lá-o-que-mais que vocês gastarem. Juro que não vão se arrepender.

Deep Cove, British Columbia, Canadá - Agosto de 2014

Deep Cove, British Columbia, Canadá – Agosto de 2014

4. Tire o máximo de proveito daquela cultura

Uma vez eu vi na internet que você descobre se uma pessoa é canadense de acordo com a quantidade de por favor e obrigado que ela fala durante o dia. Cada país tem suas particularidades, mas é legal aproveitarmos as coisas boas que eles tem para ensinar e começarmos a praticar nas nossas vidas. Hoje é estranho para mim não falar essas “palavras mágicas”. Soa tão natural que, pasmem, já recebi olhares de reprovação de motorista de ônibus quando dei bom dia. Eu aprendi muito com os canadenses, não só no idioma, mas no comportamento também e procuro aplicar sempre no meu dia-a-dia. Façam isso vocês também: aprendam o que a cultura do lugar que vocês vão visitar tem a ensinar e pratiquem. Se não tivermos um mundo encantado daqui alguns anos, menos chato eu aposto que ele será.

5. Coração aberto sempre

Vocês estão indo para um lugar diferente, com pessoas diferentes, culturas diferentes, jeitos diferentes de ver a vida. Não embarquem nessa aventura achando que as pessoas tem a obrigação de fazer tudo do jeito que vocês querem. As coisas vão sair diferentes do planejado, mas tudo bem! Se disponham a conhecer gente nova sem julgamentos, a vivenciar aqueles costumes sem preconceitos. Abram o coração para novas experiências e aventuras. Quem embarca nessa disposto a tirar o máximo de proveito possível, leva o período de intercâmbio com mais tranquilidade e administra melhor aqueles momentos de baixa (homesick, por exemplo). E, se a coisa apertar, procurem um Mc Donald’s, porque hambúrguer é igual em todo lugar, então dá pra usar de rota de fuga às vezes. >u< Levem sempre esses conselhos com vocês e aproveitem muito todas as fases do intercâmbio: do planejamento ao desembarque de volta, tudo é experiência e tudo vai gerar muitas memórias e histórias para contar. 😉 Grande beijo e até o próximo post!

Postado por Mariana Pereira

Mariana Pereira, 26 anos, jornalista, blogueira, autora de "Ao meu ídolo, com amor..." e #ShihTzuLover. Eterna intercambista e canadense de coração, sonha em viver num país bem gelado, apesar de não ser muito fã da neve. Atualmente se divide entre comandar uma sorveteria, escrever mais livros, brincar com seu cachorro e planejar suas próximas aventuras.
13 de nov de 2015

Dicas de como planejar uma Eurotrip

Oi, pessoal! Eu sou a Mariana Maia, autora do blog É Coisa Rápida, e estou bem feliz de começar a colaborar com o Coisas de Blogueiras. Aqui, vamos falar muito sobre Viagens e Intercâmbio. Vamos nessa?!

Viajar para fora do Brasil tem se tornado cada vez mais comum. Se você ainda não fez uma dessas viagens, aguenta firme, uma hora dessas você vai acabar embarcando. É só questão de paciência e economizar um dinheiro.

Para quem é “marinheiro de primeira viagem”, separei algumas dicas de como planejar uma Eurotrip (uma viagem pela Europa). Um planejamento bem feito evita gastos desnecessários e alguns perrengues.

Quanto dinheiro eu tenho para viajar?

A pergunta parece um pouco óbvia, mas alguns viajantes iniciantes (ou nem tanto) costumam se perder logo no ponto de partida. Estipular um teto para gastos e saber quanto dinheiro você tem é importante para guiar as suas escolhas como a duração da viagem ou quantos e quais países visitar.

Passagens

Pesquise muito e pesquise com antecedência. Você pode encontrar passagens bem em conta, promoções e já economizar de início. Lembrando que na Europa existem boas opções de transporte. Então, não se limite ao transporte aéreo. Trens e ônibus são super bem-vindos, até porque algumas companhias áreas cobram taxa extra para despachar bagagem, como é o caso dos voos low cost (baixo-custo), da Ryanair e Easyjet.

Hospedagem

A dica das passagens também vale para hospedagem: pesquise muito! Há inúmeros sites com informações sobre hotéis, hostels, albergues fornecidas por viajantes. Leia as impressões que eles escreveram sobre a hospedagem que você gostou, atente-se às críticas mais recorrentes e faça um balanço das coisas que realmente te incomodam ou que você não dá tanta importância. Leve em consideração a localização e o tipo de acomodação. Se preza por um quarto com banheiro só seu, não será interessante ficar em um hostel com quarto e banheiro compartilhado, não é mesmo?!

Visto, Vacina e Seguro Saúde

É importante pesquisar sobre os lugares que você vai visitar. Há necessidade de visto? É preciso tomar vacina? Nada de viajar sem seguro saúde, hein?! Em caso de emergência, só ele e Deus podem te ajudar. Além disso, na Europa existe o Tratado de Schengen, assinado por alguns membros da União Europeia, que estabelece a obrigatoriedade de uma assistência viagem, para turistas, que contenha cobertura mínima de 30 mil euros para auxílio médico. Pesquise em sites como Allianz e Porto Seguro para saber mais informações sobre o seguro.

Gastos Diários

Estipule uma quantia para gastar diariamente. 50, 60, 70 euros. Fica a critério do seu bolso e do seu estilo de viagem. Ter um limite diário é uma boa maneira de ajudá-lo a não voltar para casa com dívidas. Procure evitar usar cartão de crédito também para não ter surpresas desagradáveis depois da viagem, com toda a flutuação do câmbio. Atente-se para gastos com transporte público. Nem todos os lugares são possíveis de conhecer apenas andando a pé. Quer economizar um pouco mais? Comprar lanches em supermercados é uma boa dica para diminuir os gastos.

Cheque tudo antes

Faltando uma semana para a viagem, mande um e-mail para o local onde você vai ficar, procure saber se está tudo certo com sua reserva, “vai que”… O seguro morreu de velho, e queremos que você tenha a viagem dos seus sonhos e nada de aborrecimento. Ah! Lembre-se de levar o cartão de crédito que você usou para fazer a reserva do hotel ou para comprar o ingresso daquele evento que você quer muito ir, porque é bem provável que eles te peçam na hora do check in ou da retirada do ticket.


Para mim, a viagem já começa no planejamento e é uma das etapas mais legais. Lógico que sem a parte burocrática. Lembrando que esse post não é uma receita de bolo certinha, tudo pode e deve se adequar ao seu bolso, a sua personalidade e que tipo de viagem você pretende fazer.

Espero ter contribuído de alguma forma para sua próxima viagem.

Até a próxima, Mari.

Postado por Mariana Maia

Oi, eu sou a Mariana Maia, autora do blog É Coisa Rápida. Moro em Fortaleza (CE), tenho 20 e alguns anos e sou jornalista. Gosto de viajar e de um monte de banda aí. Todos os meses vou aparecer aqui no Coisas de Blogueiras compartilhando experiências sobre viagens.